Há algum tempo penso sobre carreira – como em mercado de trabalho – em contraste com propósito de vida – como em realização pessoal, profissional ou social.
 
Parece que, nos dias atuais, salvo excessões, uma pessoa com 16 a 17 anos de idade não tem recursos suficientes para escolher um caminho profissional com segurança. Dentre recursos adicionais, como estágio e orientação vocacional, fica claro que a decisão é muito mais complexa e tem que ser abordada mais cedo. Não no sentido de forçar uma escolha e sim de conhecer e experimentar escolhas.
 
Escolher uma profissão ou ofício é uma empresa pessoal. Tomando como metáfora um mercado que cresceu muito nos últimos anos, o de startups, podemos pegar emprestado uma ferramenta já conhecida por sua simplicidade e agilidade para ajudar nessa tarefa.
 

Usando o Business Model Canvas, poderíamos chamar de StartMeUp, algo como “comece-me”, um começo para o caminho do autoconhecimento. Assim:

 
 


 
©© Rodrigo Franco

Protótipo de uma ferramenta de startup que pode ser usada como ferramenta para quem busca uma profissão. Clique na imagem para baixar em PDF e use, modiqfique e compartilhe como quiser.
Baseado no Business Model Canvas
 


 
 

Realizei um teste com estudante para saber mais sobre como essa ideia se comportaria.

 

startmeup

 

Alguns insights sobre o teste:

1) A tela é relativamente fácil de preencher
 

2) Ela é surpreendentemente intuitiva se você nomear as seções de uma forma informal
 
3) O estudante não foi orientado ao preencher a tela. Mas, ao final, foi preciso esclarecer alguns pontos com ele.
 
4) Tenho a impressão de que este é um exercício que deve ser preenchido ao longo do tempo, de acordo com as experiências que podem trazer novas entradas.
 
5) É uma boa maneira de pensar sobre suas escolhas.
 
6) “Não é fácil de fazer!” disse o estudante. E isso é ótimo, com certeza ele foi forçado a pensar sobre as coisas.
 
7) Eu acho que toda a metodologia de iniciação é digna de uma exploração, como uma metáfora para essa transição. Conceitos como iteração, sprints, aquisição, rompimento, pitchs elevador podem ser traduzidos para o contexto de propósito de vida. Eles podem com certeza ser usados como ferramentas de experimentação para quem quer escolher o que fazer:

  • Exercício de iterar uma atividade até achar um equilíbrio, por exemplo, como cuidar do seu próprio dinheiro
  • Imaginar uma “aquisição” do estudante por uma empresa e quais as consequências dentro dessa comparação.
  • Testar atividades ou pesquisar em sprints de uma semana.
  • Como seria o pitch do estudante explicando porque é bom nisso ou naquilo?

 
 
 

Designer estratégico, consultor, "especialista-generalista" em criatividade, empreendedor, facilitador, ilustrador e curioso. Fundador da CARBONO, uma plataforma colaborativa que une pessoas e empresas em um processo criativo de iniciativas e valores compartilhados e da Alquimia, uma curadoria de ferramentas e técnicas para empreendedorismo criativo. Saiba mais sobre mim AQUI

Saiba mais sobre inovação&criatividade.

Nunca mandamos spam. Abominamos spam. Aliás, se lembrarmos de enviar alguma coisa, deve ser algo muito, mas muito bom mesmo!

Inscrito com sucesso!