Economia bastarda (Parte II)

Economia bastarda (Parte II)

(Leia primeiro a Parte I) Que fazer, já que estamos esgotando todos os recursos (sem trocadilhos)? É importante dizer que o novo paradigma não virá através de uma intervenção como a que fez, por exemplo, Richard Nixon na década de 1970, quando desvinculou o dólar do...
Designers projetam para o que não importa

Designers projetam para o que não importa

DESIGN É A CAPACIDADE DE MODIFICAR OS AMBIENTES PARA SATISFAZER NECESSIDADES E CRIAR SIGNIFICADO John Haskins   Se essa definição do design estiver próxima da correta, então estivemos fazendo um péssimo trabalho nos últimos 100 anos, pelo menos. Em todos os aspectos....
Viver, fazer, morrer – desfazer

Viver, fazer, morrer – desfazer

Quem presta atenção na maneira como mudamos nossa relação com o tempo nas últimas décadas deve ter percebido outro fenômeno. Com a aceleração exponencial com que estamos mergulhando no oceano tecnológico, nossa tolerância e paciência com coisas (antes) banais está...
O futuro da música é o passado

O futuro da música é o passado

PELA PRIMEIRA VEZ EM 100 ANOS O ARTISTA TEM A CHANCE DE TOMAR AS RÉDEAS DO MERCADO DA MÚSICA   Na virada do milênio, um palpite bateu à porta de Shawn Fanning e ele criou o Napster. Usando tecnologias de rede, o aplicativo fazia algo tão simples, mas tão simples...
Contradesign: os ventos estão mudando

Contradesign: os ventos estão mudando

Estamos em uma mudança de era para o Design. Há alguns anos, os métodos e as principais vertentes da disciplina enfrentam uma transformação pautada pela informação. Novos nichos surgiram, como a abordagem do Design Thinking, Arquitetura de Informação, Visualização de...
Paranóia do autoconsumo

Paranóia do autoconsumo

ENTRAMOS NESSE CICLO PERDIDO EM PETABYTES DE DADOS, CONSUMINDO A NÓS MESMOS EM FORMA DE PEDAÇOS DE AUTOAFIRMAÇÃO EM QUE NOSSOS AMIGOS DÃO UM “LIKE”. A paranóia surge como uma parasita de muitas bocas. Mas duas são bem visíveis e são, também, dois terminais da rede...