Lares de papel

Verter por lugares meus lares tudo aquilo que me une Borrifar em florestas o perfume de papel do meu dia que pune arestas que punge testas Soprar ares teclas de gavetas inquietas brinquedos maquetas, flores e chá frentes frias em desertos e mar frisos quentes, beijinhos, chorar e a mensagem no meio do parque dos pergolados do pague-pague recibos recebo me dou me quero