Paço

Os dias tem estado amargos trespassados por incensos desnecessários o jugo das horas marca a ferro porém quero e sigo banhado por essa luz escassa que por entre frestas de carinho me devassa Me abre o paletó de poros e diz do berro a alma puída Por grande medida no fesfir dos fósforos acha saída na alta janela do paço largo se acha por vez imbuída do pouco que se chama vida