Penhora

Perdão pela data de meu apreço reconheço que desde sempre tive o amor como um salto alvo do festim dos sábios em tronos de verbo Arvora-se em mim agora senhora de um baralho de ouros uma seta decidida a ser medida aos prantos nos cantos que se incendeia o ultimo balido lânguido do doce bandido que me põe penhora, ora, há de ser sim, senão?