Audiência

Data
Aug 1, 2008 6:02 PM (GMT)
Categoria
poesia
Autor
Rodrigo Franco

Estava lá, passiva Uma mandrágora, mandíbula estrita Gargarejava sua sentença de braços abertos Sorria. Atirava parapeitos ao céu farto de sua condição Estava lá, fortuita De memórias viria a tímidos contos da minha vida; no entanto abria sua boca como a boca da própria gravidade e engolia meus, seus, deles Aguardava os dédalos furando com o dedo todos eles Como se mártir dos devaneios fosse comigo e dona das espumas do meu oceano fosse assim um beijo perdido na própria boca por dentro da própria carne a lamentar a carne do mesmo beijo Passiva