Fotografias que não tirei - Árvores

Um dia desses foi um dia que resolvi nunca esquecer. Não havia nada de especial, não era boa data, não havia comemoração nem pêsame nem feriado - e exatamente por isso decidi não raspar da memória as árvores magras e praticamente negras com o sol nascendo ao fundo. Os vapores da manhã que aspirava ao calor deixavam a cena pouco mais que normal. Os pássaros da manhã marinavam as folhas com piu-pius farfalhados e a sombra encontrava suas próprias extremidades aqui e ali de forma que o que é sol é sim o que não, é grama, não de verde mais de um azul profundo. O orvalho estava lá, ainda como está nas costas dos meus olhos agora, ralo, como ligação de tudo que nasce e morre na manhã, como em cada minuto, como em todos os dias e sempre. Sol, sombra, orvalho.