Cruzilhada

Se queimo mão em desprovida alegoria e o esteio crasso de uma rima dividida tenho paz e pá quando aos mortos me dirijo E aos assombros assovio minha sina melódica desvelada ao estio tratada à módica cantiga trazida por estorno, na vinda castiga Em cruz ilhada uma figa, uma vela uma amiga