Encontro

Desci o monte e dei por mim no arrozal infinito da quietude tocando as plantas que tantas a me fazer virar pó Arrastei um sítio azul Piritavam os passarinhos de costas largas pousados na lenha do meu assovio Voo Poeira fui desrespeitosamente ao teu encontro — quando sopraste o cisco era eu