Dedos, botões, dedos

Os botões são claros: início, fim sem apego sem delícia sem carinho, raiva ou desdém Os botões são precisos vermelhinhos a quem nos entregamos, virgens Um dia, quando não mas precisados não farão revolta ou motim Justificarão seu próprio fim levando nossos dedinhos Os botões são insensíveis mas quanto aos mísseis que lançaram nada consta nada pisca na resta

pisca, fim