Apego

Que as luzes bastem se o que pulsa é o coração espraiado Como é bom te olhar, içar os trabalhos de Órus Provar do teu ar de cortinas inquietas O calor do teu ventre é púrpura do profundo grito de liberdade, ah! O dia em ti é alto Paradigma do meu melancólico outono A matéria clara descansa em teu rosto Gosto Lar