Portões safos escancarados portos largos espelhos de minha alma num lago em que céu é céu vago ao longe flores que pontos figurativas de sua insígnia em pinceladas a riscá-las vivas Barcos e muros tornam E tudo que há é o tempo de ser tal o chão como sempre foi e o ar como sempre é resta-me fé