Espanto

Alarmes e mordaças de panos graves por oceanos engasgam Passam por torres minaretes vidraças Cospem conchas cacos As bochechas de ar e orações; contra o vento, sopram – sobrenatural – me dizem Olá, vim trazer seu espanto