Mefizeste

Data
Sep 22, 2013 12:27 PM (GMT)
Categoria
poesia
Autor
Rodrigo Franco

Mefisto insisto tomar-lhe a mão ver-lhe a palma encontrar desenhos de giz e carvão que fiz quando era inato quando fiz-lhe um trato Ao nascer me deu o nascer de deus espalmei a metro dei-me por certo abracei minha alma, adocei meu engenho, sovei meu pão. Digo-lhe agora, não Quero minha paz em paz em paz Quero minha música toda quero ter afinação Que me corte as cordas tocarei o vão