Paradoxo sutil matinal

Mãosnosolhos manos olhos apalpando o cérebro entre transeuntes mendigos céticos e camelôs Esbarram, esbarramos Músicos de cordas milhares de panfletos horas sinais paradoxos matinais Mexe os cabelos e a sentença: compro ouro